Santolin na Festa do Divino

10 de setembro de 2011 em Festa do Divino 2011

 

A metamorfose de um artista

 

Por Fernando Evangelista (texto) e Juliana Kroeger (fotos)

Especial para o Daqui na Rede

 

Baixinho, careca, voz aguda, gestos discretos. Fisicamente, ele é uma mistura dos cineastas Wood Allen com Pedro Almodóvar. Se você o encontrasse na rua, não poderia imaginar que Luiz Antônio Machado, conhecido como Santolin, quando sobe no palco transforma-se em Ney Matogrosso, Rita Lee, Tina Turner, Fred Mercury e outros astros da música.

Gaúcho de 49 anos, Santolin é cantor cover. Ele se apresentou na noite desta sexta-feira, 9 de setembro, em Santo Antônio de Lisboa. O espetáculo faz parte da programação da Festa do Divino Espírito Santo e Nossa Senhora das Necessidades, principal confraternização comunitária do Distrito.

No palco montado no Largo da Igreja, em 50 minutos de show, Santolin fez o público dançar e esquecer o frio. Crianças, adolescentes, adultos e idosos foram contagiados pela atuação desse artista que, entre outras aparições nacionais, foi terceiro lugar, em 2008, num concurso promovido pelo Programa Domingão do Faustão, da Rede Globo.

Ele não dubla, ele canta. “Esse é meu trunfo”, afirma. E canta muito bem. Santolin descobriu que seguiria a carreira musical aos noves anos de idade, quando ouviu pela primeira vez o disco do Secos e Molhados, cultuada banda dos anos 70, que teve como principal integrante Ney Matogrosso. “O Ney é minha grande referência artística”, revela.

Santolin começou o show com Pra Você, de Paula Fernandes. Usava chapéu panamá, sobretudo cinza e camisa de cetim laranja. Tudo mais ou menos comportado. As coisas começaram a mudar na segunda música, quando Rita Lee entrou em cena com Flagra. Estava com uma peruca ruiva, uma camiseta preta com o símbolo da paz e, claro, os óculos redondos, marca registrada da cantora.

Várias vezes, o artista trocou de roupa no palco, em frente a um espelho, protegido por uma capa com dezenas de luzes grudadas. Na terceira canção, com o público acompanhando a letra, ele se transformou em Ney Matogrosso, mas com uma música de autoria de Raul Seixas, que traduz quem ele é: Metamorfose Ambulante. Em seguida, cantou Homem com H.

“A música é muito boa, ele é legal e engraçado,” disse o estudante Gabriel Gomes Lacerda, de nove anos. “Ele tem um desempenho maravilhoso, é muito natural”, completou a analista de sistemas Silvia Irene, de 39 anos. Santolin trocou novamente de fantasia e surgiu de Tina Turner, cantando a famosa Simply the Best. Depois cantou You can dance e I will survive e finalizou com a brasileira Dancin’ Days, das Frenéticas.

O resumo da noite ficou por conta do apresentador e mestre de cerimônias Amauri Melão que, no final do espetáculo, disse ao público: “por essa, ninguém esperava”.

 

CONFIRA AS FOTOS de Juliana Kroeger.


Share on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookPin on PinterestEmail this to someone