Tensão dos bastidores da Festa do Divino

4 de setembro de 2013 em Festa do Divino 2013, Galeria de imagens

Descontentamento com a transferência das atribuições da Irmandade do Divino Espírito Santo para o CPC agita os bastidores da Festa. Os problemas serão tornados públicos pela TV e em faixas

Por Celso Martins

Foto: Milton Ostetto. Arquivo: Daqui na Rede

Foto: Milton Ostetto. Arquivo: Daqui na Rede

A Irmandade do Divino Espírito Santo e sua expressão anual mais visível, a Festa do Divino, não é uma instituição qualquer ou mais uma. Ocupa posição central nas comunidades do distrito de Santo Antônio de Lisboa, incluindo Sambaqui, Barra do Sambaqui e Cacupé. Por isso o que acontece com ela afeta o dia-a-dia dos moradores, sobretudo os católicos.

Nos momentos de calmaria as atividades e as conversas se limitam a decisões administrativas, operacionais, mas o tom cresce quando surgem problemas, aflorando tensões e gerando conflitos. É o que acontece nesse momento quando um falatório poderoso domina as rodas e reuniões, revelando uma contrariedade surgida há quase dois anos, quando os poderes tradicionais da Irmandade foram retirados e transferidos ao Conselho Pastoral da Comunidade (CPC).

Os comentários inicialmente esporádicos foram crescendo com o passar do tempo e assumiram proporções na véspera da atual Festa do Divino. Uma expressão concreta da insatisfação foi a missa realizada na última segunda-feira (2.9) no Casarão e Engenho dos Andrade, celebrada pelo padre Leandro Pereira da Silva e organizada pelos irmãos Anézio e Fausto de Andrade, ex-provedores. (CONFIRA ABAIXO AS FOTOS DA CELEBRAÇÃO)

 

Anézio entrevistado por Feijão. Foto: Celso Martins

Anézio entrevistado por Feijão. Foto: Celso Martins

Tornando público
Enquanto apreciavam a sopa servida após a celebração, os convidados comentaram o assunto em pequenas rodas. Até aquele momento tudo isso acontecia “nas internas”, como se diz, distante do público. O primeiro passo visando expor o ambiente tenso dos bastidores da Festa do Divino foi dado por Edenaldo Lisboa da Cunha (Feijão), ao entrevistar para a Primer TV (canal 13 da NET) os irmãos (de sangue e da Irmandade) Anézio e Fausto.

Os dois gravaram entrevistas onde revelam o desconforto com a perda das atribuições históricas da Irmandade do Divino. O programa começa a ser exibido pela emissora nesta sexta-feira (21h), repetindo no sábado (20h30) e no domingo (21h).

Um dos mais descontentes, Feijão, encomendou duas faixas que exprimem os sentimentos reinantes e serão colocadas no domingo em locais públicos: “Arcebispo. Nossa comunidade está triste. A Irmandade do Divino Espírito Santo é quem deve administrar o patrimônio de nossa igreja” e “Sr. Arcebispo, 90 anos de trabalho da nossa Irmandade foram jogados pra fora de nossa igreja. Rogamos sua consideração”. O arcebispo de Florianópolis, Dom Wilson Tadeu Jönk, celebra missa às 10h30 de domingo na igreja de Santo Antônio.

 

Foto: Milton Ostetto. Arquivo: Daqui na Rede

Foto: Milton Ostetto. Arquivo: Daqui na Rede

Reações
Os planos de Anézio e Fausto de Andrade incluem a realização de uma assembléia geral dos irmãos da Irmandade logo após os festejos do Divino. O assunto foi levado ao provedor e vice da Irmandade, Antônio Fernando de Athaide Júnior e Antônio Campos, nesta terça-feira (3.9) à noite, numa reunião na sacristia da igreja, pouco antes do início da solenidade de lançamento de livro e abertura de exposição de fotos no salão paroquial.

Depois do encontro o vice-provedor Antônio Campos (Toía) comentou a tensão nos bastidores e anunciou uma reunião geral após os festejos do Divino. “O problema existe”, resumiu. Informou também que a Irmandade foi procurada pelo padre Edinei da Rosa Cândido, também preocupado com a dimensão do episódio, pedindo uma reunião na próxima semana.

 Histórico
A existência de irmandades na igreja de Santo Antônio data do século 18, informa o historiador Sérgio Luiz Ferreira em seu livro “”Histórias quase todas verdadeiras – 300 anos de Santo Antônio e Sambaqui”.

A iniciativa de criar a Irmandade do Divino em Santo Antônio surgiu em 1911, concretizada em 25 de maio de 1927 e constituída desde então pelas principais lideranças comunitárias, sociais, econômicas e políticas do distrito.

Continuação
O historiador Sérgio Luiz Ferreira escreveu para o Daqui na Rede um “Histórico da tensão na Festa do Divino” que será publicado nesta quinta-feira (5.9).

MISSA DOS ANDRADE, por Celso Martins

 

Share on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookPin on PinterestEmail this to someone