ANITA E EDU NAS TERRAS DE SHIVA (7)

19 de junho de 2014 em Galeria de imagens, NAS TERRAS DE SHIVA

Dharmalaya. Foto: Mark Moore.

Dharmalaya. Foto: Mark Moore.

Poucas horas após a partida Brasil 0×0 México na última terça-feira (17.6), os jornalistas brasileiros Edu Cavalcanti e Anita Martins deixaram o hotel Nyingma Peace House, no vilarejo de Bir, estado indiano de Himachal Pradesh. “Foi demais o jogo! Quero escrever uma crônica da Copa aqui na Índia. Vamos ver”, prometeu Anita, iniciando a subida das encostas do Himalaia rumo ao Dharmalaya Institute.

Atividades no Dharmalaya Institute. Foto: Mark Moore.

Atividades no Dharmalaya Institute. Foto: Mark Moore.

“Hoje [17.6] vamos subir para Dharmalaya e lá não vamos ter internet por quase uma semana. Estamos com o celular, de onde estou escrevendo agora, mas não sei se ele vai funcionar. Aqui tem chovido bastante, as monções chegaram, é lindo”, relata a jornalista Anita Martins. No local “falta energia direto, que dirá internet. Sobra vagalume, no entanto. Estamos tão felizes!”

 

Monções chegando

Eles deixaram a fornalha de Amritsar (Punjab) , após permanência em Udaipur (Rajastão) na semana passada, seguindo para Bir de trem e mais dois ônibus, em uma viagem de 10 horas. “Caminho muito bonito, viagem linda, maravilhosa, as pessoas muito amáveis. Uma senhora ao se despedir chegou a beijar minha mão”, diz a jornalista residente em Sambaqui (Florianópolis-SC). (ABAIXO FOTOS DE UDAIPUR)

Imagem: Portal de Bir.

Imagem: Portal de Bir.

Em Bir desfrutaram a visão privilegiada da janela do hotel, localizado em frente a um monastério tibetano. “Se avistam muitos monges. Demoramos para achar hospedagem, tudo cheio. Está ótimo, chuva boa, fresquinho”. Além de fugir do calor sufocante, deixaram para trás as multidões, as correrias e as buzinas.

Foto: Mark Moore.

Foto: Mark Moore.

Ao chegar no destino Anita enviou a seguinte mensagem: “Mãe do céu, chegamos em Dharmalaya. É simplesmente um dos lugares mais lindos e abençoados que já vi. É no meio das montanhas, floresta ao redor, vida sustentável, pessoas acolhedoras. Estamos nas nuvens!” Isso veio acompanhado de um “não te preocupe nenhum segundo”. Os dois vão atuar como voluntários na construção de “uma casa de barro, pois o Edu é super interessado em bioconstrução e eu também adoraria ver isso de perto”. FOTOS DA ÁREA.

 

Mapa da Índia.

Mapa da Índia.

Ladakh da Caxemira

E por que se preocupar? Bem, primeiro que a mãe de Anita, Margaret Grando, ficou arrepiada ao saber que Amritsar, onde estiveram, fica na fronteira com o Paquistão. O principal destino deles nesta cidade era o Templo Dourado, exatamente o mesmo onde aconteceu uma briga envolvendo espadas a adagas, dois dias antes da viagem, com as passagens já compradas. O arranca-rabo correu mundo afora. “Nós vamos, se não estiver legal a gente sai”, disse Anita. Chegaram, curtiram, mas não enviaram muitas notícias.

Dona Margaret desconfia que Anita e Edu tenham ido para as encostas do Himalaia praticar escaladas, usando as técnicas aprendidas na Nova Zelândia. “Deus me livre”, diz a mãe, sofrendo por antecipação com o destino final da dupla: a região da Caxemira, onde permanecem até fins de julho, quando retornam à Austrália e em seguida (setembro) ao Brasil. A Caxemira é uma região disputada pela Índia, China e Paquistão, envolvendo recursos naturais e tradições culturais e religiosas.

Mas existe uma terceira preocupação que aflige a mãe da jornalista – uma infecção urinária que prejudicou a movimentação da filha em Amritsar, forçando o repouso e exigindo água, muita água. Agora “eu estou bem de saúde, não senti mais nada da infecção, mas continuo bebendo bastante água”, diz, para alívio de dona Margaret.

 

CENAS DE UDAIPUR (Rajastão, Índia), por Edu Cavalcanti.

 

 

Share on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookPin on PinterestEmail this to someone