Carreata do Divino lota a rua Cônego Serpa

6 de setembro de 2014 em FESTA DO DIVINO 2014, Galeria de imagens

Boneco e Beco de Dário Delvino Silva, melhor junta de bois. Foto: Celso Martins.

Boneco e Beco de Dário Delvino Silva, melhor junta de bois. Foto: Celso Martins.

O carreiro José de Andrade  faturou o troféu de vencedor da 13ª Carreata do Divino, realizada na noite desta sexta-feira (5.9) em Santo Antônio de Lisboa. Morador de Santo Antônio, Andrade teve Lauro Feltz como ajudante e desfilou com os bois Fortuna e Mimoso. A premiação foi entregue pouco após o encerramento do desfile, durante confraternização dos participantes no salão paroquial.

Os demais vencedores foram Maricélio Francisco Kretzer (Celinho), de Antônio Carlos, no quesito “Cantar do carro de boi”. Beto Andrade, de Santo Antônio de Lisboa, faturou no quesito “Originalidade”. No quesito “Revelação” destaque para Valmir Soares, também de Santo Antônio. José Carlos da Cruz (Carlinho) com sua mãe dona Rosinha, moradores da Barra do Sambaqui levaram no quesito “Alegoria e adereço”. Boneco e Beco conduzidos por Delvino Silva (Rio Vermelho) foram escolhidos melhor “Junta de bois”. (GALERIA DE FOTOS ABAIXO)

 

Comissão julgadora. Foto: Celso Martins.

Comissão julgadora. Foto: Celso Martins.

Comissão julgadora

Cantar do carro de boi: Luiz Elke Moukarzel, Marcelo Muniz e Juliano Melego.

Originalidade: Nereu do Vale Pereira, Acyr Osmar de Oliveira e Liliane Motta da Silveira.

Revelação: Alexandre Vaz Pires, Sérgio Luiz Ferreira e o padre Edinei Rosa Cândido.

Alegoria e adereço: Francisco do Vale Pereira, Joi Cletison Alves e Paulo Ricardo Caminha.

Junta de bois: Monsenhor Gregório Joaquim Couto Rocha, João Leonel Gonçalves Rocha e Luiz Carlos Costa (Caio).

Os carros*

Carro 1

Carreiro Cláudio Andrade. Ajudante: Alaécio José Inácio. Bois: Vermelhinho e Berrão. Santo Antônio de Lisboa, Engenho dos Andrade.

 

Carro 2

Carreiro: Manoel Gonzaga (filho de Bento Luiz Gonzaga). Bois: Faceiro e Brinquedo, Santo Antônio de Lisboa.

 

Carro 3

Carreiro: João Santos. Ajudante: Vítor da Silva. Bois: Chita e Pançudo. Barra do Sambaqui.

 

Carro 4

Carreiro: Luiz Fernando Senna. Ajudante: Guilherme Senna. Bois: Moreno e Estrela. Santo Antônio de Lisboa.

 

Carro 5

Carreiro: Domingos Delvino Silva. Ajudante: Maria Aparecida Silva. Bois: Baíto e Bainho. Rio Vermelho.

 

Carro 6

Carreiro: Celso Pereira Machado (Cajú). Ajudante: Bruno Andrade. Bois: Baio e Baíto. Praia Comprida/Santo Antônio de Lisboa.

 

Carro 7

Carreiro: Everton Martins. Ajudante: Aloize Neto. Bois: Dourado e Bainho. Barra do Sambaqui.

 

Carro 8

Carreiro: Maricélio Francisco Kretzer (Celinho). Ajudante: Samuel Enoch Homem. Bois: Baio e Baíto. Município de Antônio Carlos. Vencedor do quesito “Cantar do carro de boi”.

Carro 9

Carreiro: Aurino dos Santos. Ajudante: Nicanor Vitorino. Bois: Garantido e Caprichoso. Barra do Sambaqui.

 

Carro 10

Carreiro: José Carlos da Cruz (Carlinho). Ajudante: Rosa dos Santos Cruz (Dona Rosinha). Bois: Barroso e Malhado. Barra do Sambaqui. Vencedor do quesito “Alegoria e adereço”.

 

Carro 11

Carreiro: José de Andrade. Ajudante: Lauro Feltz. Bois: Fortuna e Mimoso. Santo Antônio de Lisboa Troféu vencedor.

 

Beto Andrade. Foto: Celso Martins.

Beto Andrade. Foto: Celso Martins.

Carro 12

Carreiro: Beto Andrade. Ajudante: Leonardo Andrade. Bois: Braseiro e Mineiro. Santo Antônio de Lisboa, Engenho dos Andrade. Vencedor do quesito “Originalidade”.

 

Carro 13

Carreiro: Ailton Luiz Gonzaga. Bois: Moreno e Estrela. Santo Antônio de Lisboa.

 

Vandir. Foto: Celso Martins.

Vandir. Foto: Celso Martins.

Carro 14

Carreiro: Vandir dos Santos (Porquinho). Ajudante: Mário dos Santos. Bois: Moleque e Garoto. Barra do Sambaqui.

 

Carro 15

Carreiro: Valmir Soares. Ajudante: Francisco da Silva. Bois: Faísca e Fumaça. Santo Antônio de Lisboa. Vencedor do quesito “Revelação”.

 

Carro 16

Carreiro: Dário Delvino Silva. Ajudante: Diego Alvino da Silveira. Bois: Boneco e Beco. Rio Vermelho. Vencedor do quesito “Junta de boi”.

 

Carro 17

Carreiro: Manoel Roque Marques (Maneca). Ajudante: Jalmir Pascoal Nunes. Bois: Chico e Boneco. Rio Vermelho.

 

Carro 18

Carreiro: Carlos Roberto da Cunha (Calinho). Ajudante: Epifano Nunes. Bois: Galego e Alemão. Rio Vermelho.

 *Levantamento de Berenice Maria Sell do Vale Pereira.

 

Dona Rosinha. Foto: Celso Martins.

Dona Rosinha. Foto: Celso Martins.

Dona Rosinha desfila de carro de boi e distribui alegria

Por Edson Rosa (Especial para o Daqui na Rede)

Franzina, a aposentada Rosa dos Santos Cruz, a dona Rosinha, 79, distribuiu simpatia, alegria e pão-por-Deus para adultos e crianças. Ao lado do neto Tiago, 12, ela foi um dos destaques da 13a edição da Carreata do Divino, o já tradicional desfile de carros de boi de abertura da Festa do Divino Espírito Santo, em Santo Antônio de Lisboa. Com a parelha de animais guiada pelo filho mais velho, o funcionário público José Carlos Cruz, 36, a família da Barra do Sambaqui simboliza a interação entre três gerações de genuínos descendentes dos agricultores açorianos que colonizaram a Ilha, a partir do século 18.

“Escuto o cantar do carro desde menininha. Meu irmão ainda tem engenho produzindo lá na Barra, e tenho farinha novinha para botar na mesa todos os dias”, diz dona Rosinha, segurando com força os dois primeiros fueiros para se equilibrar enquanto Carlinhos conduz a parelha para o ponto inicial do desfile, na rua Cônego Serpa, onde desfilaram diante da igreja Nossa Senhora das Necessidades.

A participação de dona Rosinha não para depois do desfile de carros. Masseira de mãos cheias, ela ajudou na preparação das tradicionais massas do Divino e pão-por-Deus. E, ansiosa, esperava o momento de participar das danças do pau de fita e da peneira. “Eu quero é me divertir”, repete.

Outros 17 carros desfilaram diante da plateia formada por locais e turistas, jurados e da igreja Nossa Senhora das Necessidades. Além dos representantes de Santo Antônio e Barra do Sambaqui, vieram carreiros de Ratones, Rio Vermelho e até de Antônio Carlos, que depois recolheram carros e parelhas de bois e abriram caminho para o traslado do cortejo imperial.

 

 

Vermelhinho e Berrão, junta de Cláudio Andrade. Foto: Celso Martins.

Vermelhinho e Berrão, junta de Cláudio Andrade. Foto: Celso Martins.

A despedida do boi Berrão

Por Edson Rosa (Especial para o Daqui na Rede)

A carreata deste ano foi a última para Berrão, o boi que fica à esquerda de Cláudio Andrade, 46, o artista plástico da Praia Comprida que em 2001 organizou o primeiro desfile de carreiros para abrir as festividades do Divino em Santo Antônio. Com mais de uma tonelada, o animal está com dificuldades para sustentar o próprio peso e foi tirado definitivamente da canga na noite de sexta-feira.

“Vamos aposentá-lo, vai ficar descansando no pasto e na cocheira”, diz o carreiro, que já está à procura de um boi mais novo para formar a parelha com Vermelhinho, de 12 anos e 800 quilos, outro veterano da criação dos Andrade. É no engenho colonial da família, no Caminhos dos Açores, na Praia Comprida, que Cláudio e o irmão José Roberto, 41, repetem a farinha anual durante a festa do Divino e fazem da herança cultural açoriana mais do que estilo de vida: é o ganha-pão que permite aos que vêm de fora conhecer a origem da população tradicional de Florianópolis.

Foto: Celso Martins.

Foto: Celso Martins.

Organizada desde 2001, a 13ª Carreata do Divino é como uma viagem ao passado. “É a forma de resgatar antiga tradição açoriana das comunidades rurais da Ilha, e agregar valor cultural à festa da comunidade”, diz Andrade, que desde menino ouve o rangido das rodas de madeira. É o próprio Cláudio quem conduz Berrão e Vermelhinho, com quem parece conversar baixinho, ao pé da orelha. Ornamentado pela bandeira vermelha do Divino, o carro dos Andrade leva a reboque a carroça das bruxas, os seres do imaginário popular representadas pela mulher Irene e pela irmã Maria de Lourdes.

“O carro de boi sempre esteve ligado às atividades agrícolas da Ilha, desde o período colonial”, explica Andrade, herdeiro de engenho do século 18, na Praia Comprida, que preserva o ciclo anual da farinha, e irmão de José Roberto Andrade, 41, último mestre carreiro da cidade.

Turistas do Rio de Janeiro, o casal Luiz Carlos, 65, e Maria Eduarda Duarte, 68, não escondeu a fascinação com a desenvoltura dos carreiros. “Florianópolis é uma cidade maravilhosa. É emocionante o que vimos aqui em Santo Antônio, esta proximidade com as raízes do povo”, acrescenta.

PROGRAMAÇÃO

6 Setembro (sábado)

19h – Trasladação do Cortejo Imperial, da Casa do Império (residência de José Carlos Blanco e Maria Helena Dutra Blanco, rua Cônego Serpa nº 200) para a Igreja, com acompanhamento da Irmandade do Divino Espírito Santo, Apostolado da Oração e banda Amor a Arte.

19h30m – Missa solene de Coroação da Imagem Secular de Nossa Senhora das Necessidades, por crianças e jovens da comunidade, sob responsabilidade e ensaio de Maria de Lourdes Andrade Padilha.

21h15m – Show pirotécnico e trasladação do Cortejo Imperial da Igreja para o Trono do Império no pátio da Igreja.

21h30m – Balho&Tocata (Raízes Açorianas)

22h30m – Banda Fórum e show nacional com Rodrigo Barreto (Minha Doblò).

2h – Encerramento

 

7 setembro (domingo)

9h – Trasladação do Cortejo Imperial da residência da Família Imperial Edemilso Neves Damasceno e Maria Helena Possenti Damasceno (rua Deputado Walter Gomes, 237, Santo Antônio de Lisboa) para a Igreja, com acompanhamento da Irmandade do Divino Espírito Santo, Apostolado da Oração e banda Amor a Arte.

10h30m – Missa Solene com Coroação do Rei

11h40 – Trasladação do Cortejo Imperial da Igreja para o Trono do Império (pátio da Igreja)

12h – Almoço festivo com acompanhamento musical de Clovis Band Show e banda Amor a Arte

14h30 – Banda Cruzzy

16h – Boi de Mamão

16h30m – Café da Tarde (salão paroquial)

18h – Trasladação do Cortejo Imperial, da Casa do Império (residência de José Carlos Blanco e Maria Helena Dutra Blanco, Rua Cônego Serpa nº 200) para a Igreja, com acompanhamento da Irmandade do Divino Espírito Santo, Apostolado da Oração e banda Amor a Arte.

18h30m – “Celebração da Palavra” e apresentação do Casal Imperial da Festa do Divino Espírito Santo de 2015.

19h15 – Trasladação do Cortejo Imperial da Igreja para o Trono do Império (pátio da Igreja).

19h30m – Continuação da Festa do Divino Espírito Santo no salão paroquial com Clovis Band Show.

21h – Encerramento Geral.

 

13ª CARREATA DO DIVINO (Santo Antônio de Lisboa), por Celso Martins.

 

Share on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookPin on PinterestEmail this to someone