“Marujo” coleciona fotos e moedas pelo mundo – 4/ 10

20 de março de 2016 em Marujo dos Sete Mares - Antônio Cardoso, Memória

Por Celso Martins

Este é o quarto capítulo da série de dez reportagens “As aventuras de Marujo nos sete mares”. A cada três dias, será publicado um novo episódio. Confira o próximo no dia 23.3.

Porto russo de Vismar. O navio na imagem de baixo está preso no gelo. Foto: Antônio Cardoso.

Porto russo de Vismar. O navio na imagem de baixo está preso no gelo. Foto: Antônio Cardoso.

Na primeira viagem que fez ao Japão, Antônio Cardoso adquiriu uma câmera Yashica, com a qual passou a registrar os principais momentos de suas andanças ao redor do globo. “Em muitos portos, a gente nem saía do navio, não fazia fotos nem nada”, salienta “Marujo”. Em outros, ao contrário, ele fazia questão de desembarcar e clicar alguns registros nas áreas portuárias.

Ponte de São Francisco, nos Estados Unidos. Foto: Acervo Antônio Cardoso.

Ponte de São Francisco, nos Estados Unidos. Foto: Acervo Antônio Cardoso.

Nesses momentos, ele aproveitava para comprar algum produto local usando dólares “para ter o troco em moeda do lugar”. Essas notas foram guardadas ao longo dos anos, resultando numa pequena coleção representativa de países de todos os continentes. Algumas fotos e notas se perderam com o tempo, mas a maioria permanece em seu poder.

Na França. Foto: Acervo Antônio Cardoso.

Na França. Foto: Acervo Antônio Cardoso.

Por meio dessa coleção, é possível mapear alguns dos lugares em que esteve: Zaire, Moçambique, Gana, Quênia, Portugal, Itália, Índia, Emirados Árabes, Kuwait, República Dominicana, Nicarágua, Bolívia, Suriname, Peru, Uruguai, Argentina, Guiné e Venezuela. “Eu também tinha notas da Austrália, do Japão e do Chile”, além da Alemanha e da Costa do Marfim.

Do porto de Abidjan, na Costa do Marfim. Foto: Acervo Antônio Cardoso.

Do porto de Abidjan, na Costa do Marfim. Foto: Acervo Antônio Cardoso.

Quando se aposentou, “Marujo” levou a câmera para casa visando continuar os registros, mas teve que se desfazer do equipamento por causa da bateria. “Em todos os lugares, eu encontrava a bateria, mas aqui não. Então a máquina deixou de ter utilidade e a joguei fora”. As notas e fotos estão organizadas em um pequeno álbum que ele mostra com orgulho às visitas.

Leia os outros capítulos da série “As aventuras de Marujo nos sete mares”:
Capítulo 1 - Introdutório
Capítulo 2
Capítulo 3

Share on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookPin on PinterestEmail this to someone