A história dentro d’água (15): apoio em terra

16 de julho de 2017 em A história dentro d'água

 

Região do Porto de Sambaqui. Imagem:  Google Earth.

Região do Porto de Sambaqui. Imagem: Google Earth.

A presença de uma divisão naval com milhares de homens a bordo obrigou a adoção de algumas iniciativas por parte da Marinha e autoridades locais.

Em novembro de 1871, por exemplo, o Barão da Passagem solicitou à Presidência da Província algumas embarcações visando “transportar o material escolhido para o serviço da enfermaria que se tem de criar na freguesia de Santo Antônio”. (O Despertador, novembro de 1871)

A referida Enfermaria foi implantada em uma residência de dona Floriana Rosa Serpa Pereira e de seu filho Mariano José Pereira, em Sambaqui, adquiridas pela Marinha. O imóvel foi avaliado pelo engenheiro Sebastião de Souza e Melo, acompanhado de um mestre de obras, acertando com o médico cirurgião Carlos Frederico Xavier de Azevedo as adequações necessárias. O contrato de compra foi assinado no dia 21 de setembro. (O Despertador, 3.11.1871)

Dona Floriana foi casada com o capitão João José Pereira, donos de 27 escravos, tendo os seguintes filhos: o major José Pereira Serpa, casado com dona Maria Laureana de Andrade; Venâncio José Pereira que se casou com Maria Angélica Pereira; Francisca de Assis Pereira se casou com Cândido José Goulart; Júlia Custódia Pereira se casou com o capitão Laureano Antônio Andrade; por fim, o já citado Mariano José Pereira que se casou com Maria Basília da Cunha.

Cônego Serpa.

Cônego Serpa.

Cabe destacar que o major José Pereira Serpa e sua esposa Maria Laurena foram os pais do célebre padre José Fabriciano Pereira Serpa, mais conhecido como Cônego Serpa, nome de importante via no centro histórico de Santo Antônio. As informações são do professor Sérgio Luiz Ferreira (FERREIRA, 1998).

O citado Carlos Frederico Xavier de Azevedo não era um médico qualquer. Autor de “Historia médico-cirúrgica da esquadra brasileira nas campanhas do Uruguay, e Paraguay de 1864 a 1869″ (Rio de Janeiro: Typ. Nacional, 1870), foi o cirurgião-mor da Armada Nacional e Imperial, cavaleiro da Ordem da Rosa, presente em batalhas no Prata (1851-52) e no Uruguai.

 

Beribéri

Em 1883, sob a direção do 1º Cirurgião Florentino Telles de Menezes, a Enfermaria de Marinha foi ampliada para receber até 25 doentes, tendo em vista as “notícias alarmantes que aqui chegaram, há um mês, sobre o desenvolvimento em larga escala do beribéri em um dos navios da Divisão Naval de Evoluções”, relatou o presidente da Província. A referida embarcação estava na Bahia e havia chegado em julho daquele ano, “fundeando em Sambaqui”. Tratava-se da corveta “Nitheroy”. O presidente Gama Roza não dá detalhes, apenas assinala que, “felizmente, com a retirada da corveta “Nitheroy” para a Corte, o estado sanitário da Divisão Naval tem sido excelente”. (Relatório Gama Roza, 1883)

 

Instalações

Na ocasião a Enfermaria funcionava em “prédio alugado pertencente ao Imperial Hospital de Caridade, pelo qual paga o Ministério da Marinha a importância mensal de 60$000 réis”. Em seu Relatório, Gama Roza acha que “seria melhor adquirir logo de uma vez aquele edifício, com uma porção regular de terreno, e água corrente que lhe passa ao pé”. Além do custo do aluguel, a Província executa “reparos, caiações e benfeitorias” todos os anos. “Julgo que o todo se poderá comprar por 7 ou 8:000$ réis, pois a não ser para aquele fim, a Caridade absolutamente não achará comprador que d’aquela casa queira utilizar-se”. Segundo a mesma autoridade, “o edifício não é mau, está em condições regulares, em boa localidade, prestando-se satisfatoriamente ao fim a que é destinado”. (Relatório Gama Roza, 1883)

 

Fontes

1) FERREIRA, Sérgio Luiz. 300 anos de Santo Antônio e Sambaqui – Histórias quase todas verdadeiras. Florianópolis, Editora das Águas, 1998.

2) Relatório com que ao Exm.Snr. Doutor Francisco Luiz da Gama Roza passou a administração da Provincia o Exm. Snr. Doutor Theodoreto Carlos de Faria Souto em 29 de agosto de 1883. Arquivo Público de Santa Catarina. Pesquisa de Edson Luiz da Silva/Velho Bruxo.

 

Share on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookPin on PinterestEmail this to someone