Casa de Cultura em Sto Antônio vira ‘peixaria’

28 de setembro de 2017 em Galeria de videos, Memória

 

 

A Casa de Cultura Clara Manso de Avelar, imóvel histórico tombado em Santo Antônio de Lisboa, virou uma “peixaria”, ao lado de rendas e outras artes e artesanatos da cultura tradicional. Estão à venda 20 exemplares com cerca de 1,60 metros de altura, em madeira, a R$400,00 cada.

Fotos: Celso Martins.

Fotos: Celso Martins.

Eles foram doados por diversos artistas e os recursos serão aplicados na restauração da edificação erguida por volta de 1914 pela família Mansur, servindo de residência, depois Intendência e posto policial. Atualmente está cedida à Associação de Moradores de Santo Antônio de Lisboa, que tomou a iniciativa de instalação da “peixaria” no local.

Originalmente a exposição foi montada ao longo da Rua Quinze de Novembro, no Centro Histórico, com abertura dia 8 de junho passado, integrando a programação da Festa de Santo Antônio, com a participação de artistas como Samuel Casal, Mariza Dandolini, Frank Maia, Danubia Vieira, Glaci Pacheco, Douglas Ferreira, Eliane Arouca, Helena Poetsch, Liliane Motta da Silveira, entre outros.

 

Sardinhas

A Amsal através de seu departamento de cultura idealizou a exposição visando reafirmar os laços com a pátria mãe (Portugal), e “estimular ainda mais as iniciativas de produção artística cultural desta localidade que tem se destacado nessa área, preservando as suas tradições e inovando com ações como essas e estreitando parceria com restaurantes da sede da freguesia como apoiadores da cultura”, diz release da entidade.

“Aproveitando o viés, diga-se de passagem, muito oportuno, o Sermão aos peixes de Santo Antônio”, quando pregava nas margens de um rio, “e não era ouvido pela pequena multidão que ali estava. Reza a lenda que um cardume de peixes levantava-se da água para ouvir as palavras que era proferidas com muita eloquência por Santo Antônio, que na época era um frade franciscano”, segundo a mesma fonte.

 

Casa de Cultura e igreja.

Casa de Cultura e igreja.

Reservas

A artista plástica e dirigente da Amsal, Liliane Motta da Silveira, coordenou o esforço, recebendo apoio do Villa do Porto, Marisqueira Sintra, Estúdio 1080, Tonho Boteco, Cerveja Sambaqui, Atelier Santo de Casa, Studio Fides, Freguesia Oyster Bar e respaldo da Amsal.

A nova mostra terá abertura formal em data a ser marcada (possivelmente em outubro), mas os interessados já podem reservar seus peixes na Casa de Cultura da rua Cônego Serpa, aberta no horário comercial.

 

Share on Google+Tweet about this on TwitterShare on FacebookPin on PinterestEmail this to someone