A história dentro d’água (14): corveta ‘Trajano’

A história dentro d’água (14): corveta ‘Trajano’

  O catarinense Trajano Augusto de Carvalho foi um grande construtor naval. Nascido em Desterro/Florianópolis em 1830, iniciou como operário no Arsenal Real da Marinha (Rio) em 1848. Criou um novo formato de carena para os navios (1868), proporcionando menor resistência ao deslocamento e assegurando maior velocidade e economia de combustível. O invento foi patenteado
...Leia mais

A história dentro d’água (13): Almirante Barroso

A história dentro d’água (13): Almirante Barroso

  A chegada do cruzador Almirante Barroso no começo de fevereiro de 1886 ao ancoradouro de Sambaqui teve um ingrediente a mais: a presença entre os aspirantes de Marinha do jovem Henrique Boiteux, irmão de José e Lucas, filho do tenente-coronel Henrique Carlos Boiteux. “Acha-se ancorado no porto de Sambaqui, há poucos dias, o encouraçado
...Leia mais

A história dentro d’água (12): monitor da Guerra

A história dentro d’água (12): monitor da Guerra

  Napoleão Level talvez nunca tenha estado em Desterro/Florianópolis, mas suas obras navegaram e detiveram-se no ancoradouro de Sambaqui diversas vezes, sobretudo as embarcações de guerra usadas na campanha do Paraguai. Ele foi responsável pela superioridade marítima do Brasil, com o uso dos barcos monitores que estrearam na Guerra de Secessão dos Estados Unidos (1861-1865).
...Leia mais

A história dentro d’água (11): Príncipe à bordo

A história dentro d’água (11): Príncipe à bordo

  Nos primeiros dias de janeiro de 1884 chegaram ao ancoradouro de Sambaqui os navios da outra divisão de evoluções da Marinha, sob as ordens do mesmo chefe de divisão João Mendes Salgado dos exercícios na Ponta no ano anterior. Primeiro chegaram as corvetas “Niterói” e “Guanabara”, depois a “Parnaíba”. Entre os tripulantes da primeira”
...Leia mais

A história dentro d’água (10): Exercícios na Ponta

A história dentro d’água (10): Exercícios na Ponta

  O inverno de 1883 foi bastante movimentado no mar de Sambaqui e Santo Antônio. “Os navios da divisão de evoluções, durante o tempo que se acham fundeados em nossas águas, têm feito exercícios diários, ora de pano, ora de artilharia e fuzilaria ao alvo”, conta o jornal O Despertador de 11 de agosto de
...Leia mais

A história dentro d’água (9): turismo à bordo

A história dentro d’água (9): turismo à bordo

  O coronel Virgílio José Vilella sempre foi um homem arrojado, à frente de sua época. No ano de 1882, por exemplo, ele arrendou o Teatro Álvaro de Carvalho (na época Theatro Santa Isabel). Em 1883 cuidava de importante exposição agrícola e industrial, enquanto dirigia o Partido Liberal (majoritário) no Estado. No verão de 1889,
...Leia mais

A história dentro d’água (8): fragata Amazonas

A história dentro d’água (8): fragata Amazonas

  A fragata Amazonas, citada anteriormente, também foi construída na Inglaterra, movida a rodas, com deslocamento de 1.800 toneladas e 350 HP, tendo sido lançada ao mar em 1851. Foi testada com sucesso nas guerras do Prata (1851-1852) e do Paraguai (1864-1870), ativa nos principais combates. Na Revolta da Armada (1893-1894), foi tomada pelos rebeldes
...Leia mais

A história dentro d’água (7): barão de Ivinheima

A história dentro d’água (7): barão de Ivinheima

  Carioca nascido em 23 de Maio de 1817, Francisco Pereira Pinto ingressou cedo na carreira militar, tornou-se o barão de Ivinheima e ingressou no alto oficialato da Marinha. Os leitores de O Despertador do dia 3 de julho de 1875 ficaram sabendo bem cedo: “Entraram à barra e fundearam no ancoradouro do Sambaqui os
...Leia mais

A história dentro d’água (6): comida de marujo

A história dentro d’água (6): comida de marujo

  Em junho de 1871 o 1º tenente da Marinha Filinto Perry apanhou papel e pena e se pôs a redigir um edital para “o fornecimento das praças” dos navios de uma divisão naval (1º distrito) estacionada em Sambaqui. Indicou a necessidade de açúcar branco, bacalhau, café, farinha, feijão, toucinho, carne seca, arroz, vinagre, sal,
...Leia mais

A história dentro d’água (5): Embarcações de guerra

A história dentro d’água (5): Embarcações de guerra

  Tonelero, brigue escuna construído por Joaquim José Inácio, atracou diversas vezes na região. “Vaso de guerra – Ancorou anteontem no porto de Sambaqui, vindo do Rio de Janeiro, o brigue-escuna Tonelero, do comando do nosso distinto amigo e conterrâneo o Sr. capitão-tenente Quintino Francisco da Costa. Este navio vem encarregado do serviço do farol
...Leia mais